domingo, 20 de fevereiro de 2011

do 10° andar..


São tormentas violentas
rasgante,
Tremendo,enfrente do meu pior medo,expirei!
Seu sorriso,que abria o céu e mexia as estrelas de lugar.
Um baque gigante,caindo direto no abismo.
Me peça o que eu não sei,qualquer coisa
um velho favor,que sempre fica pra depois
Me impeça,de fazer o mal,
me afugente,e por aí,vai..
Ou vem,correndo de braços abertos,cai em mim
me complete. /não seja apenas mais um,não que seje.
Queimando brasa contra brasa.
No deleite da minha desilusão eu despenquei do ultimo andar..
Direto num poço fundo,com águas escuras
e a ele que por muitas horas fiquei, de molho
meu choro,já não sai mais com as notas de antes,
embora saisse muito barro
do meu rosto sujo,envergonhado de tal queda.
Me dê a mão,Ora
me ajude,pois não vê aonde estou?
Vem cá,me segura
eu só te peço ,que não me soltes mais.




/Eaí,que tô muito sem animo pra escrever aqui.
Ando escrevendo mais em cadernos,desenhando coisas abstratas,talvez só pra mim.
Tô me sentindo meio a meio,desencantada.
É isso,talvez eu volte a postar aqui,ou não. Valeu gente,pela atenção.
Um grande beijo. @gaabizfreitas

Nenhum comentário:

Postar um comentário