sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Armadilha.


Por segundos meus tormentos se foram,
em certos momentos tive que engolir meu choro.
Troquei minha espada, por uma pena e tinta fresca;
para criar meu ultimo poema,
desfrutar do mundo, e suas lindas belezas.
Cativa-me sua pura indecência,
com olhos de criança ainda enxergo pureza.
Escravo do amor alforriado,
completamente forro do pecado.
Atormentai os loucos emancipados;
os quais têm idade para compreender,
A gravidade de seus atos;
Atos que se tornam fatos,
carregai os fardos, para desembaraçar os balaios de gato.

Armadilha que prendeu o rato se tornou inspiração,
para um poeta alucinado.
Paraíso do pecado despenque em meus braços;
faça-me sentir desejado, retoque o quadro mal pintado,
de desenhos sem formatos.
O ultimo poema;
é o inicio do dilema, entre rochas e duras madeiras.
Amores e tristezas, palavras se tornam sentenças,
sentenças que definem um poema.
Pensamento em devaneio, sonhos criados com o tempo;
termino meu ultimo poema me debruçando em lamentos...

Poema feito por ; Lucas Nicolas, mais um sangue azul \o
visita ,siga,comente Simples Pensamentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário